APNEIADOSONO.PT

Tratamento

Como eliminar as apneias?

 

Após ter realizado a Polissonografia, o seu médico irá perceber se tem Apneia do Sono (SAOS) ou não. Caso o resultado seja positivo, e de acordo com a gravidade, vai informar-lhe das várias hipóteses de tratamento disponível.

A mais simples é ao nível do estilo de vida: deixar de beber álcool, café, alteração a nível da dieta e a prática de exercício fisico de modo a perder peso. Pode também recomendar colocar mais almofadas na cama de modo a levantar um pouco a zona da cabeça e diminuir o efeito da gravidade ao nível da orofaringe.

Se trabalhar por turnos, pode ser necessário evitar trabalhar no período nocturno. Caso tome medicação que deprima a função muscular ou respiratória, tal como alguns antidepressivos, pode ser necessário ajustar a mesma.

No entanto, nos casos mais graves ou em doentes com muitas doenças associadas na qual a SAOS terá um impacto muito negativo, é necessário um tipo de abordagem mais ativo.

Muitos doentes vão necessitar de usar um ventilador, normalmente o CPAP/Auto-CPAP. Este aparelho fornece, através de um tubo e de uma máscara (no nariz ou nariz e boca), uma pressão constante que vai manter a via aérea aberta, impedindo as apneia e o ressonar. A pressão pode ser fixa (CPAP) ou alterar-se de acordo com o necessário (Auto-CPAP).

O objetivo é impedir o encerramento das vias aéreas durante o sono, independente da sua causa. Apesar de no inicio pode ser um pouco desconfortável, ao fim de poucos dias a maioria dos doentes se adapta sem dificuldade e nota rapidamente uma melhoria clara dos sintomas e da sua qualidade de vida.

Em casos específicos, pode ser avaliada a possibilidade de que uma intervenção cirúrgica possa resolver o problema. Normalmente é oferecida a doentes que não conseguiram adaptar-se ao ventilador e apresentam características anatómicas que possam ser corrigidas, nomeadamente do foro da especialidade de Otorrinolaringologia ou Maxila-Facial. Pode passar desde correção de alteração a nível das fossas nasais, das amígdalas, ou cirurgias mais complexas e abrangentes.

Uma hipótese menos invasiva é a colocação de próteses mandibulares que são realizadas por profissionais de Medicina Dentária que permitam “puxar” a mandíbula para a frente e, desse modo, aumentar o espaço por onde passa o ar por detrás da lingua.